Alzheimer: Principais sinais, diagnóstico e tratamento

O Alzheimer é uma doença neurodegenerativa e progressiva que ainda não tem cura e costuma atingir, principalmente, pessoas acima de 65 anos de idade, alterando a memória, linguagem e percepção dos pacientes.

No Brasil, temos cerca de 100 mil novos casos de Alzheimer no ano e uma média de 1,2 milhão de pessoas vivendo com alguma forma da doença. Continue lendo para saber mais sobre os sinais de alerta, diagnóstico e tratamento.

Os principais sintomas do Alzheimer

Os sintomas podem ser divididos em três fases:

Fase Leve

O paciente começa a demonstrar falhas de memória e esquecimentos frequentes, além de dificuldade em realizar tarefas mais complexas. 

Fase Moderada

Nessa fase, o paciente precisa de ajuda para fazer tarefas simples do dia a dia, como colocar roupas.

Fase Avançada

O paciente nessa fase precisa de auxílio frequente em qualquer tarefa do dia a dia, como comer e tomar banho. 

Os principais sinais de alerta são problemas de memória, dificuldade para fazer tarefas cotidianas, problemas de comunicação, desorientação no tempo e no espaço, perda da iniciativa, mudanças na personalidade e dificuldade de raciocínio.


Como é feito o diagnóstico e o tratamento?

O diagnóstico da doença de Alzheimer é feito através da observação dos sintomas relacionados aos distúrbios e exames pedidos pelo neurologista. 

Essa doença não tem cura, mas o paciente pode fazer o tratamento com medicamentos para ter mais qualidade de vida no dia a dia. O tratamento deve ser acompanhado de perto pelo neurologista para avaliação do andamento da doença.

É possível prevenir o Alzheimer?

Sim, algumas mudanças nos seus hábitos de vida podem ajudar a prevenir a doença, principalmente através de atividades que estimulam o cérebro, como estudar, jogar jogos de estratégia frequentemente e ter uma vida ativa e com objetivos. 

Outros hábitos como a prática de atividade física regular e boa qualidade de sono também ajudam na prevenção. 

Se você gostou desse artigo, não se esqueça de compartilhar nas suas redes sociais. Siga o FEMME para ler mais dicas de saúde relevantes.